Página 8 de 80

Opinião do Professor Marco Aurélio - Segunda-feira, dia 17 de abril, a Globo estreará uma minissérie que mostra uma época que acreditávamos estar superada, a era da Ditadura Militar no Brasil. “Os Dias Eram Assim” nos fazem também pensar como Os Dias São Assim”.

Os dias eram assim: intolerância ideológica, censura nos jornais e na vida cotidiana; manobras na política e nas relações humanas; mortes; torturas; exílios; músicas de protesto como as da MPB; anistia nos anos 70; e luta por eleições diretas dos anos 80 do século passado.

Hoje, os dias são assim: intolerância ideológica; censura e preconceito nas mídias e em nossas vidas; manobras entre o capital e a política partidária de todos os partidos políticos com empresários; massacres e torturas midiáticas; escolhas de políticos que se dizem não políticos e acreditam poder enganar o povo; manifestações artísticas de protesto contra uma elite saudosa da agenda econômica da Ditatura Militar dos anos 60 e 70.   

Nos dois momentos da história, tivemos que viver e reinventar nossas vidas, apesar de tudo. “Apesar de você, amanhã há de ser outro dia”, cantava Chico Buarque.

Na nossa Osasco, a semana foi assim: começou no domingo, com a vitória do grupo governista do PT para o Diretório Municipal, com um suporte político inédito. Nunca na história do PT local houve isso, tanta gente de fora levando gente de dentro para votar nos governistas.  

Mas como a vida é dinâmica, os dias seguintes foram assim, bons para quem quer ver a vida sem óculos escuros.  Segunda-feira: o presidente eleito do PT Municipal deu uma entrevista no Webdiário chocante e reveladora, disse que não via nada demais em ter o PT participando do atual governo municipal. Terça-feira:  o MP bloqueia os bens de todos os vereadores e do atual prefeito, envolvidos no famigerado escândalo dos fantasmas da Câmara Municipal; deu até na Globo. Quarta-feira: o PSD local publica um documento para tornar público que agora está fora da base aliada, ou seja, está fora do governo municipal; como justificativa dizem: o prefeito fez uma opção pelo PT do JP e mais nada até agora.

 

Leia parte do documento do PSD:

“... Os recentes fatos ocorridos na cidade divulgados através da grande mídia com as notícias de ocorrências de pancadões, chacinas, ônibus incendiados, moradores assustados com a sensação de caos e pânico, saúde precária, crise política entre aliados, falta de cumprimento da política salarial de servidores, falta de comando e liderança, foram alguns dos fatores decisivos que contaram para o posicionamento do partido...”

Bom, quinta e sexta-feira, as pessoas seguiram uma agenda religiosa, afinal todo mundo é filho de Deus.  Feliz Pascoa a todos os leitores do Planeta.

 

 

Deus lhe Pague

Chico Buarque de Holanda.

Por esse pão pra comer, por esse chão pra dormir
A certidão pra nascer e a concessão pra sorrir
Por me deixar respirar, por me deixar existir
Deus lhe pague

Pelo prazer de chorar e pelo "estamos aí"
Pela piada no bar e o futebol pra aplaudir
Um crime pra comentar e um samba pra distrair
Deus lhe pague

Por essa praia, essa saia, pelas mulheres daqui
O amor malfeito depressa, fazer a barba e partir
Pelo domingo que é lindo, novela, missa e gibi
Deus lhe pague

Pela cachaça de graça que a gente tem que engolir
Pela fumaça, desgraça, que a gente tem que tossir
Pelos andaimes, pingentes, que a gente tem que cair
Deus lhe pague

Por mais um dia, agonia, pra suportar e assistir
Pelo rangido dos dentes, pela cidade a zunir
E pelo grito demente que nos ajuda a fugir
Deus lhe pague

Pela mulher carpideira pra nos louvar e cuspir
E pelas moscas-bicheiras a nos beijar e cobrir
E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir
Deus lhe pague.

Marco Aurélio Rodrigues Freitas é jornalista e professor das redes municipal e estadual de São Paulo. Escreve todas as semanas no site Planeta Osasco. 

O PSD, partido do ex-secretário de segurança de Osasco, Lau Alencar, definiu que –após 100 dias de governo Lins- os resultados foram pífios. A legenda optou pelo que definiu como 'oposição construtiva'.

Para Lins, a manifestação do PSD é dura e cita como motivos as investigações do MP, a insegurança, precariedade na saúde, crise entre aliados e muitos outros fatores.

Com bens bloqueados e diante de uma crise política interna profunda, Rogério Lins acaba de ter mais uma dura notícia. Seu isolamento irá aumentar.

Nota-se que, para grande parte da população de Osasco, o Governo não consegue elaborar nada, tornou-se apenas reativo e suas melhores práticas são apenas zeladoria (e insuficiente). No entanto, os investimentos em propaganda e marketing são constantes.

Leia a nota na íntegra;

 

Nota de esclarecimento:

O PSD de Osasco, em reunião na noite desta quarta-feira, 12, através de sua Comissão Diretora Municipal, membros e filiados, deliberaram questões políticas partidárias e políticas públicas. Na pauta, entre outros assuntos, estava à deliberação sobre o posicionamento político do partido a respeito da gestão do governo Rogério Lins Vanderlei.

Após discussão e manifestação de seus membros, por grande maioria expressiva, optaram pela oposição ao governo atual. Após a análise de 100 dias de governo, pode-se perceber que o PT - Partido dos Trabalhadores, está diretamente ligado a administração com a maior participação no secretariado e com mais espaço do que qualquer partido que está diretamente ligado ao governo, inclusive, o partido do próprio prefeito.

As ações e investigações do Ministério Público que acabou culminando na prisão do prefeito, a ação criminal e a de improbidade, a recente decisão da justiça de bloqueio dos bens do prefeito, tudo isso requer cautela e cuidado para não se fazer juízo de valor e condenação sumária. Mas é inegável que tudo isso seja esclarecido dentro dos ditames da lei e com a maior transparência possível.

Os recentes fatos ocorridos na cidade divulgados através da grande mídia com as notícias de ocorrências de pancadões, chacinas, ônibus incendiados, moradores assustados com a sensação de caos e pânico, saúde precária, crise política entre aliados, falta de cumprimento da política salarial de servidores, falta de comando e liderança, foram alguns dos fatores decisivos que contaram para o posicionamento do partido.

Seremos fiscais da sociedade, faremos uma oposição construtiva, justa e responsável. Não vamos torcer pelo ¨quanto pior melhor¨, seremos vigilantes e austeros, quanto à aplicação do orçamento e sua real destinação e finalidade nas áreas da Saúde, Educação, Segurança e o Social. Por fim, queremos reforçar o compromisso do PSD na prevenção e combate à corrupção, em todas as suas formas e reafirmar nosso compromisso com a transparência, respeito no trato da coisa pública, a Integridade e Ética. Esperamos o devido respeito ao nosso sagrado princípio da liberdade de escolha. Osasco merece respeito, Viva Osasco. Paz e Bem!

PSD – OSASCO

 

Via Coletivo de Mídia Independente de Osasco

IMG Correio Paulista

O PSD, partido do ex-secretário de segurança de Osasco, Lau Alencar, definiu que –após 100 dias de governo Lins- os resultados foram pífios. A legenda optou pelo que definiu como 'oposição construtiva'.

Para Lins, a manifestação do PSD é dura e cita como motivos as investigações do MP, a insegurança, precariedade na saúde, crise entre aliados e muitos outros fatores.

Com bens bloqueados e diante de uma crise política interna profunda, Rogério Lins acaba de ter mais uma dura notícia. Seu isolamento irá aumentar.

Nota-se que, para grande parte da população de Osasco, o Governo não consegue elaborar nada, tornou-se apenas reativo e suas melhores práticas são apenas zeladoria (e insuficiente). No entanto, os investimentos em propaganda e marketing são constantes.

A decisão do PSD é uma manifestação dura e cita as investigações do MP, a insegurança e as chacinas, precariedade na saúde, crise entre aliados e muitos outros fatores.

Leia a nota na íntegra;

 

Nota de esclarecimento:

O PSD de Osasco, em reunião na noite desta quarta-feira, 12, através de sua Comissão Diretora Municipal, membros e filiados, deliberaram questões políticas partidárias e políticas públicas. Na pauta, entre outros assuntos, estava à deliberação sobre o posicionamento político do partido a respeito da gestão do governo Rogério Lins Vanderlei.

Após discussão e manifestação de seus membros, por grande maioria expressiva, optaram pela oposição ao governo atual. Após a análise de 100 dias de governo, pode-se perceber que o PT - Partido dos Trabalhadores, está diretamente ligado a administração com a maior participação no secretariado e com mais espaço do que qualquer partido que está diretamente ligado ao governo, inclusive, o partido do próprio prefeito.

As ações e investigações do Ministério Público que acabou culminando na prisão do prefeito, a ação criminal e a de improbidade, a recente decisão da justiça de bloqueio dos bens do prefeito, tudo isso requer cautela e cuidado para não se fazer juízo de valor e condenação sumária. Mas é inegável que tudo isso seja esclarecido dentro dos ditames da lei e com a maior transparência possível.

Os recentes fatos ocorridos na cidade divulgados através da grande mídia com as notícias de ocorrências de pancadões, chacinas, ônibus incendiados, moradores assustados com a sensação de caos e pânico, saúde precária, crise política entre aliados, falta de cumprimento da política salarial de servidores, falta de comando e liderança, foram alguns dos fatores decisivos que contaram para o posicionamento do partido.

Seremos fiscais da sociedade, faremos uma oposição construtiva, justa e responsável. Não vamos torcer pelo ¨quanto pior melhor¨, seremos vigilantes e austeros, quanto à aplicação do orçamento e sua real destinação e finalidade nas áreas da Saúde, Educação, Segurança e o Social. Por fim, queremos reforçar o compromisso do PSD na prevenção e combate à corrupção, em todas as suas formas e reafirmar nosso compromisso com a transparência, respeito no trato da coisa pública, a Integridade e Ética. Esperamos o devido respeito ao nosso sagrado princípio da liberdade de escolha. Osasco merece respeito, Viva Osasco. Paz e Bem!

PSD – OSASCO

 

 

IMG Correio Paulista

Com ingressos promocionais por apenas R$25,00 (disponível aqui), o Teatro Municipal de Osasco vai receber Ester – O Musical, que conta a história de Hadassa, de Susã, arrancada do meio do seu povo, para se tornar uma rainha.

A partir de então, seu nome passa a ser Ester, que significa: esqueça o seu nome, mas nunca se esqueça de que é judia. Com tal força, a rainha Ester mostra bravura ao enfrentar o ódio de Hamã, ministro do rei, que guarda profunda inimizade contra os judeus e pretende aniquilá-los de uma vez por todas. À jovem judia, será dada a missão de se erguer pelo seu povo e mostrar toda a sua coragem, neste espetáculo que promete arrancar os mais profundos sentimentos do seu público.

Apresentado pela Cia Artística En’cena, trata-se de um emocionante musical que conta as passagens dessa história magnífica. A única apresentação será dia 5 de maio, 20 horas.

O valor do ticket é R$60 a inteira, R$30 meia e R$25 promocional. No site Ingresso das Artes é possível obter o ingresso promocional (sem limite de idade ou necessidade de comprovação para estudantes e não-estudantes) compre diretamente aqui. O desconto no site equivale à 60% do valor da inteira e é liberado para todos (limitado ao primeiro lote).

Da Redação

Peça O Pequeno Príncipe, no Teatro Municipal de Osasco, trará fantasia e histórias mágicas. Ingresso por R$20,00, (compre na página do evento).

Apresentado como espetáculo infantil, O Pequeno Príncipe agrada a todas as idades.

Com um elenco de primeira e participação de profissionais de alto nível na preparação do elenco, a peça tem coreografias e figurinos excelentes. A história se passa no deserto do Saara, onde um piloto de avião sofre uma pane no motor e é obrigado a fazer um pouso de emergência; sendo assim, ele precisa ficar por lá alguns dias até consertar seu avião. Logo, conhece o Pequeno Príncipe, um garotinho que vem de um planeta bem pequeno e distante do nosso.

“Só se vê bem com o coração; o essencial é invisível aos olhos.” Com esta história mágica e sensível, não há adulto que não se comova, e criança que não se encante com esta fábula.

O espetáculo musical O Pequeno Príncipe se apresenta na sexta, dia 28 de abril às 20h, no Teatro Municipal de Osasco, inaugurando uma nova fase para o principal espaço cultural da cidade. Os ingressos já estão à venda e o valor pode chegar a R$ 50 (inteira) e R$ 25 a meia.

No entanto, o site ‘Ingresso das Artes’ está comercializando –apenas pela internet- os ingressos por R$20,00 para todos os públicos (compre na página do evento).

A peça tem o potencial de atrair públicos variados para o espaço cultural mais tradicional da cidade. O Teatro Municipal Glória Giglio, depois de uma longa reforma, está ainda mais aconchegante.

O site PlanetaOsasco.com recomenda o espetáculo para todos os públicos.

 

Por Rafaela N.

Exclusivo – O Governo de Rogério Lins indicou nomes historicamente vinculados ao ex-deputado João Paulo Cunha (PT) como contrapartida para a manutenção do apoio de grupos. As informações são do Coletivo de Mídia Independente de Osasco e foram confirmadas por fontes distintas.

Os dados são oficiais, publicados no IOMO (Imprensa Oficial do Município de Osasco) e denotam a extensão do acordo político. Para a população da cidade, a informação não é uma novidade.

Com a confirmação de mais uma dezena de nomeações no IOMO, as indicações dos novos comissionados não levam em consideração a competência técnica, mas, sim, os acordos políticos entre Rogério Lins e tais grupos, através de seu Secretário de Governo, Gelso Lima, centralizador das listas de indicações e que ficou conhecido na semana passada por seu envolvimento no vídeo da confusão do corredor da PMO, publicado no PlanetaOsasco.

O caso é grave.

O ex-prefeito Francisco Rossi (PR) teria advertido pessoalmente Lins de que a eventual parceria do governo com João Paulo Cunha seria onerosa para os cofres públicos, como resultado, Rossi e a vice prefeita foram afastados do núcleo duro das decisões. Celso Giglio (PSDB) não teria se manifestado sobre a parceirada de Lins, até mesmo por que enfrenta dura oposição dentro do próprio partido sobre o atual Secretário de Saúde, indicado por ele. Já para Emidio de Souza, o ideal seria o PT não fazer parte do governo ou aceitar cargos. Até mesmo na capital paulista o caso gera desconforto. O prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), foi pego de calças curtas após apoiar o prefeito de Osasco nas eleições. Pela segunda vez (a primeira foi a detenção de Lins).

E é justamente agora que o PT em Osasco vive um momento de decisão; em disputa interna, marcada para domingo, existem duas alas. A chapa formada pelo próprio grupo de João Paulo Cunha (que garantiria apoio e cargos com Rogério Lins) e, do outro lado, a composição formada pelo deputado Marcos Martins, o ex-prefeito Emidio de Souza e lideranças históricas do partido, que querem oposição ao governo.

E é por isso que RL decidiu abrir as comportas dos cargos e liberar apoio total e irrestrito para o grupo de João Paulo Cunha. Caso JP seja derrotado, o PT de Osasco se voltaria para uma discussão ideológica e de oposição ao prefeito. E, nesse caso, sai mais barato para Lins oferecer dezenas de cargos pagos com dinheiro público do que correr o risco de ter uma oposição robusta. A tentativa de anular Rossi comprova esse medo.

O processo seletivo marcado para terça-feira também estaria sofrendo alterações de última hora para contemplar indicações específicas.

O último IOMO constata algumas novas nomeações, não necessariamente ligadas ao caso;

Com informações do Coletivo de Mídia Independente de Osasco

Checagem DN

IMG edição de imagens CMIO - 1ª foto publicada no Webdiário/ 2ª foto Época - CMIO Documentos

Página 8 de 80