Página 5 de 64

Na última sexta feira, dia 25 de agosto, a Associação Pestalozzi de Osasco recebeu, na Câmara de Osasco, placa comemorativa pelos 35 anos de atividade no município.

Secretário de Saúde, José Carlos Vido, vereadora Dra. Régia, Yara Crudo, presidente da Pestalozzi de Osasco, vereador Ribamar Silva e a secretária da Assistência Social de Osasco, Suzete Franco, com placa comemorativa de 35 anos de fundação da instituição / Fotos: Beatriz Barros e Kelly Carvalho

O Plenário Tiradentes estava lotado e o evento contou com a presença de amigos e parceiros da instituição, além de atendidos e seus familiares, diretores, funcionários e voluntários.

Entre as autoridades presentes na cerimônia estavam a secretária da Assistência Social, Suzete Franco, o secretário da Saúde, José Carlos Vido, o presidente da FITO, José Carlos Pedroso, e o vice-presidente da ACEO, Gleidimir Battiston.

A autora da propositura, vereadora Dra. Régia (PDT), falou sobre a seriedade do trabalho da Pestalozzi e sua importância para o município. Lembrou, ainda, que o cumprimento da Lei de Cotas e a da Lei da Aprendizagem são fundamentais para a inclusão social e profissional de pessoas com deficiência.

Homenagem à Ágatha Maria D’Angelo, em memória, que foi fundadora e idealizadora da Pestalozzi de Osasco, recebida por Roberto Affonseca, seu sobrinho e representante

Também emocionados foram os depoimentos de Regiane, voluntária da Pestalozzi de Osasco há 5 anos e de Sandra Carvalho, funcionária há 7 anos.

Na cerimônia, foram homenageadas as diretoras que, em 09 de agosto de 1982, fundaram a Pestalozzi de Osasco.

Com destaque, foi homenageada, em memória, Ágatha Maria d’Angelo, assistente social, que sonhou e lutou para que houvesse uma Pestalozzi em Osasco e que durante mais de 20 anos, como diretora, foi responsável pela gestão da instituição.

A presidente da Pestalozzi, Yara Crudo, encerrou a cerimônia lembrando que, para oferecer um serviço gratuito e de qualidade para mais de 100 pessoas com deficiência intelectual, a instituição precisa da colaboração de muitas pessoas e convidou a todos para participarem do importante trabalho social realizado pela Pestalozzi de Osasco.

Serviço:

Associação Pestalozzi de Osasco
Endereço: Rua Dionísio Bizarro, 415 – Jardim Ester – Osasco | SP
Telefone:  3682 2158
E-mail: [email protected]
Site: www.pestalozzioasaco.org.br
Facebook: www.facebook.com/pestalozziosasco

Na última sexta feira, dia 25 de agosto, a Associação Pestalozzi de Osasco recebeu, na Câmara de Osasco, placa comemorativa pelos 35 anos de atividade no município.

Secretário de Saúde, José Carlos Vido, vereadora Dra. Régia, Yara Crudo, presidente da Pestalozzi de Osasco, vereador Ribamar Silva e a secretária da Assistência Social de Osasco, Suzete Franco, com placa comemorativa de 35 anos de fundação da instituição / Fotos: Beatriz Barros e Kelly Carvalho

O Plenário Tiradentes estava lotado e o evento contou com a presença de amigos e parceiros da instituição, além de atendidos e seus familiares, diretores, funcionários e voluntários.

Entre as autoridades presentes na cerimônia estavam a secretária da Assistência Social, Suzete Franco, o secretário da Saúde, José Carlos Vido, o presidente da FITO, José Carlos Pedroso, e o vice-presidente da ACEO, Gleidimir Battiston.

A autora da propositura, vereadora Dra. Régia (PDT), falou sobre a seriedade do trabalho da Pestalozzi e sua importância para o município. Lembrou, ainda, que o cumprimento da Lei de Cotas e a da Lei da Aprendizagem são fundamentais para a inclusão social e profissional de pessoas com deficiência.

Homenagem à Ágatha Maria D’Angelo, em memória, que foi fundadora e idealizadora da Pestalozzi de Osasco, recebida por Roberto Affonseca, seu sobrinho e representante

Também emocionados foram os depoimentos de Regiane, voluntária da Pestalozzi de Osasco há 5 anos e de Sandra Carvalho, funcionária há 7 anos.

Na cerimônia, foram homenageadas as diretoras que, em 09 de agosto de 1982, fundaram a Pestalozzi de Osasco.

Com destaque, foi homenageada, em memória, Ágatha Maria d’Angelo, assistente social, que sonhou e lutou para que houvesse uma Pestalozzi em Osasco e que durante mais de 20 anos, como diretora, foi responsável pela gestão da instituição.

A presidente da Pestalozzi, Yara Crudo, encerrou a cerimônia lembrando que, para oferecer um serviço gratuito e de qualidade para mais de 100 pessoas com deficiência intelectual, a instituição precisa da colaboração de muitas pessoas e convidou a todos para participarem do importante trabalho social realizado pela Pestalozzi de Osasco.

Serviço:

Associação Pestalozzi de Osasco
Endereço: Rua Dionísio Bizarro, 415 – Jardim Ester – Osasco | SP
Telefone:  3682 2158
E-mail: [email protected]
Site: www.pestalozzioasaco.org.br
Facebook: www.facebook.com/pestalozziosasco

Motoristas e carros utilizados devem ser de Osasco e recolher taxa única para operar na cidade. Já os taxistas teriam desonerações de impostos. Proposta será debatida dia 30

Ribamar

Ribamar (Foto: Luciano Benazzi)

(políEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Após meses de polêmicas, o projeto de lei que regulamenta os aplicativos de transporte de passageiros, como o Uber, caminha para um acordo na Câmara Municipal. A proposta será debatida no próximo dia 30, em audiência pública, mas uma saída tem agradado boa parte dos parlamentares: exigir que os motoristas e carros utilizados sejam de Osasco e que recolham uma taxa única para operar na cidade. Já os taxistas seriam contemplados com desonerações de impostos. Para isso, os vereadores precisariam apresentar emendas que modifiquem o texto original enviado à Casa pelo prefeito Rogério Lins (PODE). A proposta deve ser levada a conhecimento dos interessados na próxima audiência pública.

Líder do governo na Câmara, Ribamar Silva (PRP) diz ver com bons olhos a implantação das regras aos motoristas cadastrados em aplicativos. Além de exigir residência em Osasco, eles devem ter seus carros com placas da cidade. Dessa forma, a prefeitura garantiria o recolhimento do IPVA e apostaria na geração de empregos. Veículos de outros municípios passariam a ser proibidas de buscar passageiros em Osasco, a exemplo do que acontece com taxistas.

Outra meta é estipular um limite no número de motoristas cadastrados em aplicativos com permissão para dirigir em Osasco. “Todo movimento que se faça para gerar emprego na cidade é importante. A conversa com todos os vereadores tem sido nesse sentido de obrigar que os carros sejam emplacados em Osasco e que os motoristas sejam residentes em Osasco. Isso movimenta a economia local porque você recolhe impostos e gera empregos para o município”, disse Ribamar.

O líder do governo defendeu a regulamentação dos aplicativos e cobrou respeito aos taxistas. “Para regulamentar é preciso ter um custo para os aplicativos também porque senão fica inviável para os taxistas. Fica desproporcional. O governo tem estudado para dar descontos aos taxistas nos tributos que eles pagam todos os anos”, explicou.    

Ribamar também confirmou que a proposta deve ir a plenário em setembro. “Já estamos chegando a um entendimento. Quem pediu a audiência foi o vereador Tinha. Ele já veio conversar comigo e está havendo esse entendimento [de votar em setembro]. A Casa precisa andar e vamos colocar esse projeto, de suma importância, para votar”, concluiu.  

Motoristas e carros utilizados devem ser de Osasco e recolher taxa única para operar na cidade. Já os taxistas teriam desonerações de impostos. Proposta será debatida dia 30

Ribamar

Ribamar (Foto: Luciano Benazzi)

(políEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Após meses de polêmicas, o projeto de lei que regulamenta os aplicativos de transporte de passageiros, como o Uber, caminha para um acordo na Câmara Municipal. A proposta será debatida no próximo dia 30, em audiência pública, mas uma saída tem agradado boa parte dos parlamentares: exigir que os motoristas e carros utilizados sejam de Osasco e que recolham uma taxa única para operar na cidade. Já os taxistas seriam contemplados com desonerações de impostos. Para isso, os vereadores precisariam apresentar emendas que modifiquem o texto original enviado à Casa pelo prefeito Rogério Lins (PODE). A proposta deve ser levada a conhecimento dos interessados na próxima audiência pública.

Líder do governo na Câmara, Ribamar Silva (PRP) diz ver com bons olhos a implantação das regras aos motoristas cadastrados em aplicativos. Além de exigir residência em Osasco, eles devem ter seus carros com placas da cidade. Dessa forma, a prefeitura garantiria o recolhimento do IPVA e apostaria na geração de empregos. Veículos de outros municípios passariam a ser proibidas de buscar passageiros em Osasco, a exemplo do que acontece com taxistas.

Outra meta é estipular um limite no número de motoristas cadastrados em aplicativos com permissão para dirigir em Osasco. “Todo movimento que se faça para gerar emprego na cidade é importante. A conversa com todos os vereadores tem sido nesse sentido de obrigar que os carros sejam emplacados em Osasco e que os motoristas sejam residentes em Osasco. Isso movimenta a economia local porque você recolhe impostos e gera empregos para o município”, disse Ribamar.

O líder do governo defendeu a regulamentação dos aplicativos e cobrou respeito aos taxistas. “Para regulamentar é preciso ter um custo para os aplicativos também porque senão fica inviável para os taxistas. Fica desproporcional. O governo tem estudado para dar descontos aos taxistas nos tributos que eles pagam todos os anos”, explicou.    

Ribamar também confirmou que a proposta deve ir a plenário em setembro. “Já estamos chegando a um entendimento. Quem pediu a audiência foi o vereador Tinha. Ele já veio conversar comigo e está havendo esse entendimento [de votar em setembro]. A Casa precisa andar e vamos colocar esse projeto, de suma importância, para votar”, concluiu.  

Motoristas e carros utilizados devem ser de Osasco e recolher taxa única para operar na cidade. Já os taxistas teriam desonerações de impostos. Proposta será debatida dia 30

Ribamar

Ribamar (Foto: Luciano Benazzi)

(políEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Após meses de polêmicas, o projeto de lei que regulamenta os aplicativos de transporte de passageiros, como o Uber, caminha para um acordo na Câmara Municipal. A proposta será debatida no próximo dia 30, em audiência pública, mas uma saída tem agradado boa parte dos parlamentares: exigir que os motoristas e carros utilizados sejam de Osasco e que recolham uma taxa única para operar na cidade. Já os taxistas seriam contemplados com desonerações de impostos. Para isso, os vereadores precisariam apresentar emendas que modifiquem o texto original enviado à Casa pelo prefeito Rogério Lins (PODE). A proposta deve ser levada a conhecimento dos interessados na próxima audiência pública.

Líder do governo na Câmara, Ribamar Silva (PRP) diz ver com bons olhos a implantação das regras aos motoristas cadastrados em aplicativos. Além de exigir residência em Osasco, eles devem ter seus carros com placas da cidade. Dessa forma, a prefeitura garantiria o recolhimento do IPVA e apostaria na geração de empregos. Veículos de outros municípios passariam a ser proibidas de buscar passageiros em Osasco, a exemplo do que acontece com taxistas.

Outra meta é estipular um limite no número de motoristas cadastrados em aplicativos com permissão para dirigir em Osasco. “Todo movimento que se faça para gerar emprego na cidade é importante. A conversa com todos os vereadores tem sido nesse sentido de obrigar que os carros sejam emplacados em Osasco e que os motoristas sejam residentes em Osasco. Isso movimenta a economia local porque você recolhe impostos e gera empregos para o município”, disse Ribamar.

O líder do governo defendeu a regulamentação dos aplicativos e cobrou respeito aos taxistas. “Para regulamentar é preciso ter um custo para os aplicativos também porque senão fica inviável para os taxistas. Fica desproporcional. O governo tem estudado para dar descontos aos taxistas nos tributos que eles pagam todos os anos”, explicou.    

Ribamar também confirmou que a proposta deve ir a plenário em setembro. “Já estamos chegando a um entendimento. Quem pediu a audiência foi o vereador Tinha. Ele já veio conversar comigo e está havendo esse entendimento [de votar em setembro]. A Casa precisa andar e vamos colocar esse projeto, de suma importância, para votar”, concluiu.  

Motoristas e carros utilizados devem ser de Osasco e recolher taxa única para operar na cidade. Já os taxistas teriam desonerações de impostos. Proposta será debatida dia 30

Ribamar

Ribamar (Foto: Luciano Benazzi)

(políEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Após meses de polêmicas, o projeto de lei que regulamenta os aplicativos de transporte de passageiros, como o Uber, caminha para um acordo na Câmara Municipal. A proposta será debatida no próximo dia 30, em audiência pública, mas uma saída tem agradado boa parte dos parlamentares: exigir que os motoristas e carros utilizados sejam de Osasco e que recolham uma taxa única para operar na cidade. Já os taxistas seriam contemplados com desonerações de impostos. Para isso, os vereadores precisariam apresentar emendas que modifiquem o texto original enviado à Casa pelo prefeito Rogério Lins (PODE). A proposta deve ser levada a conhecimento dos interessados na próxima audiência pública.

Líder do governo na Câmara, Ribamar Silva (PRP) diz ver com bons olhos a implantação das regras aos motoristas cadastrados em aplicativos. Além de exigir residência em Osasco, eles devem ter seus carros com placas da cidade. Dessa forma, a prefeitura garantiria o recolhimento do IPVA e apostaria na geração de empregos. Veículos de outros municípios passariam a ser proibidas de buscar passageiros em Osasco, a exemplo do que acontece com taxistas.

Outra meta é estipular um limite no número de motoristas cadastrados em aplicativos com permissão para dirigir em Osasco. “Todo movimento que se faça para gerar emprego na cidade é importante. A conversa com todos os vereadores tem sido nesse sentido de obrigar que os carros sejam emplacados em Osasco e que os motoristas sejam residentes em Osasco. Isso movimenta a economia local porque você recolhe impostos e gera empregos para o município”, disse Ribamar.

O líder do governo defendeu a regulamentação dos aplicativos e cobrou respeito aos taxistas. “Para regulamentar é preciso ter um custo para os aplicativos também porque senão fica inviável para os taxistas. Fica desproporcional. O governo tem estudado para dar descontos aos taxistas nos tributos que eles pagam todos os anos”, explicou.    

Ribamar também confirmou que a proposta deve ir a plenário em setembro. “Já estamos chegando a um entendimento. Quem pediu a audiência foi o vereador Tinha. Ele já veio conversar comigo e está havendo esse entendimento [de votar em setembro]. A Casa precisa andar e vamos colocar esse projeto, de suma importância, para votar”, concluiu.  

Página 5 de 64